CASTANHA

CONFRARIA EDITA COLEÇÃO DE CINCO LIVROS DEDICADOS À “CASTANHA, A CELEBRAÇÃO DA NATUREZA”

Dar a conhecer, através de pequenos livros, de fácil leitura e visualmente atrativos, a castanha e toda a cultura que lhe está associada, era um projeto há muito idealizado pela Confraria da Castanha dos Soutos da Lapa, com sede em Sernancelhe. Alberto Correia, Confrade-mor, confirma que, até final de março, deverão ser conhecidos os cinco livros essenciais à compreensão do “ritual” da Celebração da Castanha nestas terras: a Confraria, as queijadas, os ouriços de castanha, as Cavacas de Freixinho e os Fálgaros da Tabosa.

A ideia é, de acordo com Alberto Correia, divulgar este fruto e a riqueza gastronómica que lhe está associada e permitir que, no final, seja criada uma caixa arquivadora e os cinco livrinhos possam ser guardados por quem os colecionar.

O primeiro livro desta coleção, já editado pela Confraria e limitado a 300 exemplares, conta com um poema de José de Campos que, de forma muito original, descreve e homenageia a castanha dos dez concelhos dos Soutos da Lapa. Concelhos que, desde 2006, têm na Confraria uma entidade que assume nos seus estatutos a preservação, promoção e divulgação da castanha e de toda a gastronomia e cultura gastronómica dos Soutos da Lapa.

Destaque ainda para a inclusão de vários elementos gráficos como o traje confrádico, com a capa, o chapéu de senhora e de homem, a insígnia e o “maço” de entronização. Nas vinte páginas do livro há ainda imagens de alguns dos mais emblemáticos castanheiros desta região, de soutos de Sernancelhe e um prato de queijadas de castanha, uma marca que a Confraria criou, numa parceria com o Restaurante Flora, de Sernancelhe.