Também os sernancelhenses modelaram a História

Sernancelhe foi berço de gente ilustre das artes, da ciência e da cultura. Destas terras do interior do País, de onde se avista a Estrela e o Marão, denominadas de "Terras doi Demo" pelo Mestre escritor Aquilino Ribeiro, partiram jovens que carregaram às costas as suas origens pelos quatro cantos do mundo. Homens que, pela sua personalidade, conseguiram, cada um à sua maneira, influenciar a história. António Ribeiro Saraiva, Aquilino Ribeiro, Bernardo Xavier Coutinho, João Fraga de Azevedo, Padre João Rodrigues e Abade Vasco Moreira foram algumas das figuras nascidas em Sernancelhe e que fazem parte do lote das personalidades célebres da nossa terra.

 


 António Ribeiro Saraiva António Ribeiro Saraiva - No século XIX, nascia em Sernancelhe António Ribeiro Saraiva, o diplomata, jornalista, político e escritor que acompanhou D. Miguel no exílio e com ele regressou em 1828, tendo despenhando importantes cargos diplomáticos, de entre os quais se destaca o de Secretário da Embaixada de Portugal em Londres, precisamente durante o reinado de D. Miguel. Fidalgo da Casa Real, bacharel formado em Direito e em Cânones pela Universidade de Coimbra, nasceu em Sernancelhe a 10 de junho de 1800, e faleceu em Paddock House, St. Peters, no condado de Kent, Inglaterra, a 15 de dezembro de 1890, contando 90 anos de idade. Era filho do desembargador da Casa da Suplicação, e conselheiro José Ribeiro Saraiva e de D. Francisca Xavier Constantina de Morais e Macedo. A Câmara Municipal de Sernancelhe homenageou-o no dia 1 de novembro de 1990, durante uma sessão solene nos Paços do Concelho, em que Teresa Mónica, da Biblioteca Nacional, a quem está confiado o espólio de Ribeiro Saraiva, proferiu uma palestra verdadeiramente inédita e que revelou a vida e obra deste sernancelhese. O Município emitiu ainda uma medalha comemorativa, atribuiu o nome de Ribeiro Saraiva a uma rua e publicou uma brochura com a palestra de Teresa Mónica.

Aquilino Ribeiro Aquilino Ribeiro – Conhecido como O Mestre, Aquilino Ribeiro é um dos maiores escritores portugueses do século XX. Nasceu na freguesia de Carregal, Sernancelhe, em 1885, e foi batizado na igreja de Alhais, concelho de Vila Nova de Paiva. Estudou no Colégio da Senhora da Lapa, fez Filosofia em Viseu e frequentou Teologia no Seminário de Beja, curso de que desistiu no segundo ano. Inconformado por natureza, mudou-se para Lisboa, em 1907, onde intentou começar carreira no jornalismo. As controversas atividades políticas levariam Aquilino Ribeiro à cadeia, de onde se evadiu. Exilado em Paris, frequentou os cursos de Filosofia e Sociologia da Sorbonne, onde recebeu ensinamentos dos melhores mestres da época. No campo literário estreou-se, em 1913, com a colectânea de contos “Jardim das Tormentas”. Da sua vasta obra, destacam-se “A Via Sinuosa”, “Terras do Demo”, “Volfrâmio”, “Aldeia”, “Cinco Reis de Gente” e “Malhadinhas”. Aquilino Ribeiro faleceu em 1963, mas deixou ao país um retrato impecável de uma época e de uma região. Impressões que as Terras do Demo jamais esquecerão, sendo as suas obras autênticos roteiros turísticos que nos permitem hoje conhecer, de forma exaustiva, a alma das gentes da Beira.

 Bernanrdo Xavier da Costa Coutinho Bernardo Xavier da Costa Coutinho – Investigador, crítico de arte, tradutor, Bernardo Coutinho nasceu na freguesia de Ferreirim em 1909. Ordenado sacerdote, foi nomeado cónego da Sé Catedral do Porto. Licenciou-se em Ciências Históricas e em Letras Românicas e doutorou-se pela Universidade de Lovaina com a tese “As Lusíadas e os Lusíadas”. Professor no Seminário Maior do Porto e na Universidade Católica, em Lisboa, foi também professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Provido no cargo de Conservador do Museu de Soares dos Reis, viu reconhecido o seu trabalho quando foi eleito sócio da Academia das Ciências de Lisboa e da Academia Portuguesa de História. Da sua obra destacam-se publicações como “Acção do Papado na Fundação e Independência de Portugal”, “Camões e as Artes Plásticas” e “A Medalhística Camoniana do Século XVIII aos nossos dias”. Bernardo Xavier Coutinho faleceu em 1987, deixando cerca de meia centena de obras de mérito.

 João Fraga de Azevedo João Fraga de Azevedo – Natural de Sarzeda, Fraga de Azevedo licenciou-se em medicina pela Universidade de Coimbra. Selecionado para médico da Armada Portuguesa fez, entretanto, o curso na Escola de Medicina Tropical. Considerado um dos maiores cientistas da medicina tropical portugueses, representou o país em conferências e congressos internacionais. Publicou perto de quatro centenas de trabalhos científicos, individuais ou em colaboração, divulgadas por todo o mundo da ciência. Mesmo à distância, Fraga de Azevedo não se esqueceu de Sernancelhe e terá usado os seus bons ofícios para a criação do Colégio do Infante Santo, em 1966/67. Foi distinguido com altas condecorações em Portugal, África, Brasil, Alemanha, Espanha e Itália. Fraga de Azevedo faleceu em Lisboa em 1977 com 68 anos.

Padre João Rodrigues Padre João Rodrigues – Nasceu em Sernancelhe em 1560 ou 1561. Com apenas 14 anos saiu de Portugal em direção à Índia. Em 1580 chegou ao Japão por intermédio da Companhia de Jesus. Ao serviço da Companhia dedicou-se ao ensino da gramática e do latim. Alguns anos mais tarde concluía os estudos em Teologia em Nagasaki. Foi a Macau para ser ordenado sacerdote e, tendo regressado ao Japão, tornou-se intérprete, servindo como agente intermediário nas compras feitas às naus estrangeiras. Conhecido como comerciante, diplomata e político, Padre João Rodrigues acabaria expulso do Japão no ano de 1610, por razões ainda não esclarecidas. Regressado a Macau, iniciou uma série de investigações com vista ao conhecimento das origens das comunidades cristãs ali estabelecidas desde o século XIII. Considerado um clássico para o conhecimento do Japão, Pe. João Rodrigues foi o autor da primeira gramática da língua japonesa e escreveu a “História da Igreja no Japão”. Apontado como um vulto da cultura universal, faleceu em Macau em 1633, sendo ainda hoje motivo de estudo e um símbolo do Japão.

Abade Vasco Moreira Vasco Moreira –  Ficou conhecido como o autor da primeira monografia sobre o Concelho. Editada em 1929 com o título “Terras da Beira – Sernancelhe e seu Alfoz”, é o livro que ainda hoje nos dá toda a informação histórica, geográfica, etnográfica e linguística sobre o concelho. Sensivelmente na mesma época, deu à estampa outra obra maior da sua carreira como orador, arqueólogo, historiador, literato e escritor: a “Monografia do Concelho de Tarouca”. A Abade deve-se também a organização do Museu de Lamego, do qual seria o primeiro diretor. O trabalho de Vasco Moreira revela-se notável porque, mesmo sem recursos bibliográficos, conseguiu legar obras muito completas e importantes para a afirmação das respetivas comunidades. Faleceu em São João de Tarouca em 1932. Em sinal de homenagem, o Município de Sernancelhe, a sua terra natal, deu o nome de Abade Vasco Moreira à sua Biblioteca Municipal, tendo posteriormente sido dadas à estampa outras obras da sua autoria, nomedamente em poesia.

Imprimir

0
0
0
s2smodern