“Natal Sem Idade”, uma homenagem a uma geração de obreiros da nossa terra

“Natal Sem Idade”, uma homenagem a uma geração de obreiros da nossa terra

Não foi, com certeza, o bacalhau, as batatas cozidas e as couves o único argumento que encaminhou para o Expo Salão de Sernancelhe, no dia 15 de dezembro, mais de mil seniores de todo o Concelho para a festa “Natal sem Idade”. Também não foi a prenda que, no final da festa, o Município de Sernancelhe ofereceu simbolicamente a todos os participantes. Então, porque vêm tantas pessoas à festa “Natal Sem Idade”, com tanta alegria, entusiasmo e sentido religioso?

Responder a esta questão só será possível com uma evidência de quinze anos deste encontro de gerações: vem tanta gente à festa “Natal Sem Idade” porque é a maior e a mais bonita festa que jamais alguém promoveu para homenagear os pais e os avós do Concelho, gente que tanto trabalhou para o bem da nossa terra.

É aliás esta a visão que o Município tem da iniciativa e, ano após ano, procura que se cumpra, proporcionado aos mais idosos este momento singular de reencontro, de convívio, de troca de experiências e de partilha de uma ceia de Natal antecipada.

A missa foi, sem dúvida, o momento mais aguardado por todos. Num cenário onde mais de um milhar de pessoas, sentadas e confortáveis, assistem à cerimónia religiosa celebrada por párocos do Concelho de Sernancelhe, a emoção desponta nos rostos calejados pelos anos de trabalho.
O sofrimento não acompanha as pessoas neste dia e os pensamentos são todos positivos, fazendo jus à ideia de que a mente é eternamente jovem, se a vivência passada foi plena, repleta e feliz.

A celebração religiosa é o ponto mais alto deste encontro “Natal Sem Idade”. Com um altar simples, decorado com duas grandes telas com imagens iguais às do interior da Igreja Românica de Sernancelhe, os sacerdotes tiveram a preocupação de adaptar as mensagens aos seus interlocutores e a mensagem é plena de sentimento, de emoção.

Este ano, recém-criado coro de Sernancelhe foi responsável pela animação musical da missa, dando um brilho extraordinário a toda a celebração. Já o ofertório, que tem a singularidade de ser um momento vivo de apresentação das freguesias pelos produtos que as simbolizam, deu a conhecer as Arnas e os bordados, o Carregal e Aquilino Ribeiro, Chosendo e a tecelagem, Cunha e as moedas, Escurquela e o pão, Faia e a latoaria, Ferreirim e o vinho, Fonte Arcada e o azeite, Freixinho e as cavacas, Granjal e as batatas, Lamosa e o leite, Macieira e o centeio, Penso e a farinha, Quintela e o queijo, Sarzeda e o feijão, Sernancelhe e a castanha e Vila da Ponte e os peixinhos do rio. Símbolos reais de uma ruralidade característica do Concelho, mas também marcas identitárias do nosso povo, que perduram há séculos.

A satisfação e bem-estar de quem acorre ao “Natal Sem Idade” são as maiores preocupações do Município de Sernancelhe, ideias reafirmadas na mensagem deixada pelo Presidente da Câmara Municipal de Sernancelhe, Carlos Silva Santiago, que elogiou a vida e o percurso de todos quantos assistem a este evento, que classificou como uma imagem e exemplo que Sernancelhe dá, sabendo agradecer, reconhecer e honrar todos os obreiros da nossa terra.