Manuel de Lima Bastos concedeu direitos autorais da sua obra a Sernancelhe

Manuel de Lima Bastos concedeu direitos autorais da sua obra a Sernancelhe e já doou perto de uma centena de livros raros de Aquilino Ribeiro à Biblioteca

A ligação próxima de Manuel de Lima Bastos ao nosso Concelho, que começou em 2009, e a sua declarada paixão pelo Mestre Aquilino Ribeiro, motivaram que concedesse ao Município de Sernancelhe, já este ano, os direitos autorais da sua obra literária, e de que são referências os livros “À Sombra de Aquilino Ribeiro”. Mas, a par deste legado, Lima Bastos é um dos maiores doadores de obras de Aquilino à Biblioteca Abade Vasco Moreira. As últimas obras que Manuel de Lima Bastos, natural e residente em Santa Maria de Fiães, freguesia de Terras da Feira, doou, no dia 4 de agosto, juntamente com a edição especial de “O Malhadinhas” e “O Romance de Camilo”, que já tinha doado anteriormente, exemplificam, pela sua raridade e valor, a missão que este estudioso da obra de Aquilino Ribeiro tem vindo a cumprir: enriquecer o espólio deste espaço cultural com a mais completa e rara coleção de obras do escritor sernancelhense e assim garantir que as mesmas podem ser consultadas e estudadas por diferentes públicos, sempre que o pretendam.

Perante o gesto de Manuel de Lima Bastos e gosto pessoal que manifesta pelo Concelho de Sernancelhe, o Presidente do Município, Carlos Silva Santiago, entende que as ofertas de livros raros de Aquilino Ribeiro e a concessão dos direitos autorais é “uma deferência que muito nos honra e que agradecemos”, assegurando que “tudo faremos para elevar sempre ao patamar mais alto o seu refinado trabalho de escrita, quer pelo tanto que o Dr. Lima Bastos representa para nós, como pela importância que as obras que produziu têm para a valorização da vida e obra de Aquilino Ribeiro”. Carlos Silva Santiago elogiou ainda o percurso literário de Lima Bastos e recordou que “tivemos o grato prazer de, por iniciativa do Dr. José Mário Cardoso, meu antecessor à frente do Município, conhecer o Dr. Manuel de Lima Bastos em 2009. Foi imediata a empatia e a perceção de que estávamos perante um homem que encaixa no perfil das “raras pessoas que possuem esta virtude magnética: atrair”, como qualifica Aquilino o diretor do Jornal O Século”.

No total Manuel de Lima Bastos já doou a Sernancelhe cerca de cem livros, muitos deles primeiras edições, com dedicatórias manuscritas pelo próprio Aquilino ou com encadernações únicas e de grande valor artístico. Os últimos foram Dom Frei Bertolameu (incluindo uma primeira edição), As Três Mulheres de Sansão, Humildade Gloriosa, Mónica, Camões, Camilo, Eça e Alguns Mais, todos com detalhes que lhes conferem valor e os tornam únicos.

Mas já este ano Manuel de Lima Bastos tinha estado em Sernancelhe, por duas vezes, trazendo 52 obras de Aquilino Ribeiro que muito enriquecem a Biblioteca Municipal.

FEVEREIRO DE 2020:

01 – JARDIM DAS TORMENTAS, 1913, primeira edição, editora Aillaud, Alves & Cia (Paris e Lisboa) e Francisco Alves & Cia (Rio de Janeiro, S. Paulo e Belo Horizonte), encadernada a vermelho com dizeres e gravura a ouro na lombada; dedicatória a sua mulher Grete Tiedemann e aos sogros impressa em alemão. 02 – A VIA SINUOSA, 1918, primeira edição, Livrarias Aillaud e Bertrand (Paris e Lisboa) e Livraria Francisco Alves (Rio de Janeiro, S. Paulo e Belo Horizonte) e conserva a capa da brochura encadernada a vermelho com dizeres, gravuras e nervuras a ouro na lombada. 03 – TERRAS DO DEMO, 1919, primeira edição pouco conhecida das Livrarias Aillaud e Bertrand (Lisboa), encadernada pela própria editora em percalina azul com estes dizeres a ouro na capa: ao alto Aquilino Ribeiro, no meio Terras do Demo sublinhado e no fundo Livrarias Aillaud & Bertrand – Aillaud, Alves & Cia – Paris-Lisboa. 04 – FILHAS DE BABILÓNIA, 1920, primeira edição, Livrarias Aillaud e Bertrand (Paris-Lisboa), Livraria Chardon (Porto), Livraria Francisco Alves (Rio de Janeiro, com encadernação moderna que conserva a capa e a contra-capa da brochura original. 05 – ESTRADA DE SANTIAGO, 1922, primeira edição, segundo milheiro, das Livrarias Aillaud & Bertrand (Paris-Lisboa), encadernação editorial em percalina vermelha escuro com dizeres estampados a ouro na capa e na lombada. 06 – ANDAM FAUNOS PELOS BOSQUES, 1926, primeira edição, Livrarias Aillaud e Bertrans (Paris, Lisboa), com encadernação editorial cor verde lodo e dizeres gravados a ouro na capa e lombada conservando a capa da brochura. 07 – O HOMEM QUE MATOU O DIABO, 1930, primeira edição, Livrarias Aillaud e Bertrand (Paris – Lisboa), encadernada a vermelho com os dizeres e a gravura estampados a ouro na lombada; conserva a capa e a contracapa da brochura original. 08 – A BATALHA SEM FIM, 1931, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernada a vermelho com dizeres e gravura gravados a ouro na lombada; conserva a capa e a contracapa da brochura original. 09 – AS TRÊS MULHERES DE SANSÃO, 1932, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa) com encadernação da editora em percalina vermelho-escuro; dizeres e gravuras estampados a ouro na capa e lombada conservando a capa da brochura original. 10 – MARIA BENIGNA, 1933, primeira edição primeiro milhar, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernada a vermelho com os dizeres e a gravura estampados a ouro na lombada; conserva a capa e a contracapa da brochura original. 11 – PEREGRINAÇÃO, 1933, primeira edição da adaptação da obra de Fernão Mendes Pinto feita por Aquilino Ribeiro, Livraria Sá da Costa (Lisboa); ilustrada por Martins Barata com uma gravura no início em cores e as restantes a preto e branco; encadernação com dizeres na lombada a ouro mostrando no verso da capa o brasão da “Casa dos Espadanais” a cuja livraria pertenceu. 12 – É A GUERRA, 1934, primeira edição, 4º milhar, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernação moderna em tom castanho marmoreado e aplicações a verde na lombada mostrando os dizeres e gravuras estampados a ouro; conserva a capa e a contracapa da brochura original. 13 – ALEMANHA ENSANGUENTADA, 1935, primeira edição, terceiro milhar, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernação moderna em castanho marmoreado e aplicações a verde na lombada mostrando os dizeres e gravuras estampados a ouro; conserva a capa e a contracapa da brochura original. 14 – QUANDO AO GAVIÃO CAI A PENA, 1935, primeira edição, primeiro milhar, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernação da editora feita em percalina vermelho-escuro com os dizeres e as gravuras a ouro na capa e na lombada. 15 – AVENTURA MARAVILHOSA DE D. SEBASTIÃO, 1936, 4ª edição saída no ano da primeira pelo que, respeitando a prática da editora, deveria ter sido englobada no milhar ou milheiro que lhe coubesse dentro da primeira edição; encadernação da editora em percalina vermelho-escuro com os dizeres e as gravuras a ouro; na bibliografia ínsita na abertura do livro figura como sendo a última obra publicada o que confere a certeza de que saiu no ano da 1ª edição. 16 – S. BANABOIÃO ANACORETA E MÁRTIR, 1937, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernação da editora em percalina verde com os dizeres e gravuras a ouro na capa e lombada. 17 – MÓNICA, 1939, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernação da editora em percalina vermelho-escuro com dizeres e gravuras estampados a ouro na capa e na lombada; conserva a capa da brochura original. 18 – POR OBRA E GRAÇA, 1939, primeira edição, da Livraria Bertrand, com a encadernação da editora em percalina vermelho escuro com dizeres e gravuras a ouro na capa e na lombada; conserva a capa da brochura original. 19 – O SERVO DE DEUS E A CASA ROUBADA, 1941, primeira edição da Livraria Bertrand (Lisboa), encadernação da época em pele de cor castanha na lombada e marmoreada em tom castanho na capa e contracapa com dizeres e gravuras a ouro na lombada; mantém a capa e contracapa da brochura original. 20 – OS AVÓS DOS NOSSOS AVÓS, 1942, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa) encadernação recente marmoreada a castanho na capa e contracapa e aplicações a verde-escuro na lombada com dizeres e gravuras dourados. 21 – BRITO CAMACHO, 1942, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa), obra escrita de parceria com Ferreira de Mira com encadernação moderna em tom castanho marmoreado na capa e na contracapa; aplicações na lombada de cor verde-escuro com dizeres e gravuras a ouro; mantém a capa e a contracapa da brochura original. 22 – O ARCANJO NEGRO, 1947, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa), em encadernação da época de pele tom verde e lombada a preto com dizeres impressos a dourado. 23 - CINCO RÉIS DE GENTE, 1948, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa) encadernação azul com dizeres e gravuras douradas na lombada a preto. 24 – UMA LUZ AO LONGE, 1948, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernação azul com dizeres e gravuras douradas na lombada a preto. Tem a capa e contracapa da brochura original. 25 – PORTUGUESES DAS SETE PARTIDAS, 1951, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa), com encadernação moderna em tom castanho marmoreado na capa e contracapa; aplicações na lombada de cor verde-escuro com dizeres e gravuras a ouro; conserva a capa e a contracapa da brochura original. 26 – LEAL DA CÂMARA (VIDA E OBRA), 1951, primeira edição especial (a primeira edição em tamanho e impressão normais só saiu em 1952) preparada pelo pintor Abel Manta com a tiragem única de 1.000 exemplares assinados por Aquilino Ribeiro sendo este o nº819; a encadernação, dita meia francesa, com dizeres e nervuras a ouro na lombada conserva as capas da brochura original; o texto está ilustrado com gravuras a preto e branco de Leal da Câmara e doze reproduções a cores extra texto de quadros do pintor biografado. 27 – PRÍNCIPES DE PORTUGAL – SUAS GRANDEZAS E MISÉRIAS, 1952, primeira edição, Livros do Brasil Lda. (Lisboa); encadernação moderna em tom castanho marmoreado na capa e contracapa; aplicações a verde-escuro com dizeres e gravuras a dourado na lombada; mantém a capa original da brochura. 28 – ARCAS ENCOIRADAS, 1953, primeira edição, Livraria Bertrand (Lisboa), encadernação da época a vermelho vivo com dizeres e gravuras dourados na lombada; conserva a capa da brochura original. 29 – HUMILDADE GLORIOSA, 1954, primeira edição, da Livraria Bertrand de Lisboa; encadernação moderna a castanho marmoreado na capa e contracapa; aplicações em verde-escuro com os dizeres e gravuras a dourado na lombada; conserva a capa da brochura original. 30 – A CASA GRANDE DE ROMARIGÃES, 1957, primeira edição, da Livraria Bertrand (Lisboa); encadernação moderna a castanho marmoreado na capa e contracapa; aplicações em verde-escuro com os dizeres e gravuras a dourado na lombada. 31 – O MALHADINHAS, edição de 1958 (sendo a primeira de 1949), Livraria Bertrand (Lisboa), que foi revista pelo escritor que incluiu na abertura uma Nota Preliminar com três páginas o que lhe conferirá o padrão ne varietur respeitado em edições posteriores; encadernação da época em cor castanha marmoreada com a lombada em pele castanha e os dizeres a dourado; conserva a capa da brochura original. 32 – DOM FREI BERTOLAMEU, 1959, primeira edição publicada pela Livraria Bertrand em brochura. 33 – D. QUIXOTE DE LA MANCHA, 1959, primeira edição, Livraria Bertrand, versão (por ser mais do que uma mera tradução) de Aquilino Ribeiro da obra-prima de Miguel Cervantes de Saavedra transposta para a língua portuguesa em três volumes encadernados em pele verde-garrafa; dizeres, ornamentos e nervuras nas lombadas impressos a dourado; conserva as capas originais das brochuras. 34 – NO CAVALO DE PAU COM SANCHO PANÇA, 1960, primeira edição da Livraria Bertrand (Lisboa) publicada em brochura. 35 – DE MECA A FREIXO DE ESPADA À CINTA, 1960, primeira edição da Livraria Bertrand (Lisboa) publicada em brochura. 36 – UM ESCRITOR CONFESSA-SE, 1974, primeira edição, Livraria Bertrand, encadernada em pele tom vermelho forte com dizeres e ornamentos complexos a ouro na lombada; conserva as capas da brochura original.    

JULHO DE 2020

01RECREAÇÃO PERIÓDICA do Cavaleiro de Oliveira, obra traduzida por Aquilino Ribeiro que inclui um prefácio da sua autoria com 117 páginas, 1922, 1ª edição das Officinas Gráficas da Biblioteca Nacional, encadernação a pele inteira com dizeres, gravuras e nervuras estampados a ouro.

02ROMANCE DA RAPOSA, 1924, 1ª edição de Aillaud e Bertrand ilustrada por Benjamim Rabier, dois tomos com encadernação moderna a pele inteira e dizeres estampados a ouro conservando as capas da brochura original.

03 – CAMINHOS ERRADOS, 1947, 1ª edição Livraria Bertrand, encadernado a pele inteira, com dizeres, gravuras e nervuras estampados a ouro conservando as capas da brochura original.

04 – CONSTANTINO DE BRAGANÇA VII VIZO REI DA ÍNDIA, 1948, 1ª edição ilustrada da Livraria Portugália, encadernação com a lombada e cantos em pele; dizeres, gravuras e nervuras estampados a ouro.

05 – CAMÕES, CAMILO, EÇA E ALGUNS MAIS, 1949, 1ª edição da Livraria Bertrand, encadernação a pele inteira com dizeres, gravuras e nervuras a ouro conservando as capas da brochura original.

06 – GEOGRAFIA SENTIMENTAL, 1951, 1ª edição da Livraria Bertrand, com encadernação da época conservando as capas da brochura original.

07 – ABÓBORAS NO TELHADO, 1955, 1ª edição da Livraria Bertrand, com a encadernação a pele inteira; dizeres, gravuras e nervuras a ouro conservando as capas da brochura original.

08 – TERRAS DO DEMO, 1919, 1ª edição das Livrarias Aillaud e Bertrand em bom estado de conservação; esta brochura veio do Brasil com esta dedicatória escrita pela mão do escritor: A José Osório de Castro, campeão dum mundo melhor, duma literatura melhor, de tudo que é melhor oferece este livro selvagem o seu amigo Aquilino Ribeiro, Coimbra (ou Lisboa, a ortografia não é inequívoca) 1919.

09 – QUANDO AO GAVIÃO CAI A PENA, 1935,1ª edição, 1º milhar da Livraria Bertrand; encadernação com lombada em pele; dizeres e gravuras a dourado; dedicatória do autor a um eminente jornalista e escritor ligado às organizações operárias e ao sindicalismo anarquista: A Julião Quintinha com o maior apreço e estima pelo companheiro e amigo of. (oferece abreviado) o Aquilino Ribeiro. Precede a data 1935 o local onde terá sido escrita mas de forma indecifrável.

10 – DOM FREI BERTOLAMEU, 1959, 1ª edição da Bertrand encadernada a pele na lombada e cantos; dizeres, gravuras e nervuras estampados a ouro.

11 – DE MECA A FREIXO DE ESPADA À CINTA, 1960, 1ª edição da Livraria Bertrand, encadernação a pele inteira com dizeres, gravuras e nervuras a ouro.

EDIÇÕES ESPECIAIS DE LIVROS PREFACIADOS POR AQUILINO RIBEIRO

12 – O DOUTOR JIVAGO, Boris Pasternak, 1959, 1ª edição, Livraria Bertrand, tradução de Augusto Abelaira (prosa) e de David Mourão-Ferreira (poesia) com prefácio de Aquilino Ribeiro; encadernação em pele inteira com os dizeres e as gravuras na lombada a ouro; conserva as capas da brochura original.

13 – OBRAS COMPLETAS DE BERNARDIM RIBEIRO, 1949, edição especial da Livraria Sá da Costa em dois tomos encadernados a tela; dizeres e gravuras em baixo-relevo estampados a ouro; prefácio e notas de Aquilino Ribeiro e M. Marques Braga.

EDIÇÕES ESPECIALÍSSIMAS

14 – O MALHADINHAS, 1946, 1ª edição autónoma da novela, tiragem de 500 exemplares numerados e assinados pelo autor sendo este o 330, ilustrada por Bernardo Marques e encadernado a pele inteira com ferros estampados a ouro; obra quase impossível de encontrar no mercado com estas características.

15 – O ROMANCE DE CAMILO, 1957, notável 1ª edição de 1.700 exemplares publicada num único volume pela Fólio dirigida por José Cardoso Pires; veio a público antes da edição comum da Bertrand em três volumes e foi ilustrada por Júlio Pomar com extra-textos deste pintor e de Carlos Botelho; a encadernação luxuosa em pele inteira apresenta os dizeres e os ornamentos gravados a ouro. No final tem o número 768 a acompanhar o sinete do escritor.

16 - PAMPHLETO SOBRE AQUILINO RIBEIRO, de 1909, incluído nos folhetins de cordel "Homens de Acção", que descreve a fuga do futuro escritor da enxovia policial do Caminho Novo onde se encontrava preso por causa das explosões que ocorreram no seu quarto da Rua do Carrião as quais causaram a morte do Dr. Gonçalves Lopes, professor de química, e do comerciante Belmonte de Lemos.